ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2020 É ADIADA EM FUNÇÃO DA PANDEMIA

A cada 02 anos o país inteiro se movimenta para a realização das eleições, que podem ser municipais ou estaduais e presidenciáveis. Vale lembrar, que eleição é o processo pelo qual um grupo seleciona integrantes para ocupar um cargo público, através de votação.
Ao longo dos anos o processo das eleições vem mudando e se tornando mais democrático, houve época em que apenas um grupo seleto tinha o poder de voto, momentos em que mulheres não podiam votar e ao longo dos anos e de diversas mudanças, viu se presidente reeleito falecer antes da posse, com a epidemia conhecida como Gripe Espanhola. Percebemos que o tenso cenário atual não é novo, o país já enfrentou outras pandemias, no entanto, o grande desafio é como se comportar durante esse processo, e a grande questão é: como serão as eleições em meio a pandemia?
É do conhecimento de todos, que durante as eleições reúnem se milhares de pessoas que se aglomeram nas filas, e caminham em meio a milhares de papeis que são jogados ao chão durante todo o dia. Como será realizado o processo de votação mantendo a saúde dos eleitores, mesários e de todos que atuam no trabalho direto e indireto com as eleições?
O Senador Weverton Rocha propôs que as eleições fossem transferidas para novembro e o Senado Federal aprovou a proposta, e a Câmara aprovou, em 01 de julho de 2020 a mudança das eleições municipais de 2020, em razão da pandemia do novo coronavírus, no entanto, com toda certeza, ainda serão necessárias varias adaptações para que o processo ocorra de modo “natural”, em virtude da pandemia causada pelo covid-19. As novas datas são: 1º turno em 15 de novembro e 2º turno em 29 de novembro — o calendário original previa o primeiro turno das eleições em 4 de outubro e o segundo turno, em 25 de outubro. O texto foi aprovado em definitivo…. – Veja mais em

O distanciamento social tem sido uma medida adotada no combate ao Coronavírus, higienizar as mãos também, no entanto, durante a votação no Brasil será realizado o uso das urnas eletrônicas, e sem dúvidas o cuidado precisará ser coletivo mas, principalmente individual, partindo do ponto de vista que centenas de pessoas utilizarão as teclas para a escolha de seus candidatos (as), no caso dos mesários para digitar o número do título de cada eleitor para que estes estejam liberados para exercer sua cidadania.
O que se pode afirmar, com plena certeza é que as eleições não serão da mesma maneira porque isso geraria uma contaminação em massa, causando um verdadeiro colapso no sistema de saúde pública e privada, seria como enfileirar dominós e  derrubá-los golpeando apenas uma pedra. Sobre as datas se houver mudanças seremos informados, mas o ideal é que estejamos preparados para as possíveis modificações no processo eleitoral neste ano atípico de pandemia em virtude do Covid-19.

Vanessa Bacellar/Jornalista voluntária deste site